sábado, 16 de agosto de 2008

Às vezes , tento me livrar disso tudo. Inventar outra dor. Esse espaço de tempo em que minha alma tragou um corpo, venho aprendendo coisas boas. Sempre penso no futuro. O que será mais cômodo à mim, o que enfrentarei e os tombos que vou passar. Imaginar, muitas vezes é a minha única saída dessa coisa louca que vivemos e desse caminho que não é caminho e que caminho.

Um comentário:

Luiz e o Vento disse...

Como gostaria de ler o que está escrito aqui! pena que está em amarelo